Marchinha Literária: Carnaval e Livros?



O tema Literatura em uma marchinha de carnaval? É isso mesmo produção? Sim é isso mesmo, queridos leitores


Estou nos poucos momentos assistindo TV e de repente estou vendo a escolha das três finalistas para um concurso de marchinha de carnaval.
Ah gente... é eu estava vendo isso. Mas é que eu gosto de assistir Fantástico, pois ajuda demais nas questões de Atualidades em concurso público (kkkk me justificando).
Enfim, estou eu distraída na sala com a Tv ligada e dando uma olhada no post quando é anunciado a PRIMEIRA finalista
Marchinha Literária - Roni Valk



Ai eu olho pra Tv com uma cara meio sem entender

hã?


Ahhhh, o que eu fiz depois de escutar a INCRÍVEL letra... Uma vista no tio Google sobre a marchinha, e achei no Blog Concurso de Marchinhas, sobre ela. 

Mas antes confira a letra!!!

Marchinha literária
Roni Valk

Amor, sem essa! Eça de Queirós!
Vamos por pingo nos is
Não fui eu quem Castro Alves
Foi o Machado de Assis!

Quem Castro Alves, me diz
Machado de Assis!

Mas ela é pura Literatura
Eu suo a axila, o Ariano Suassuna
E pra ser seu almanaque
Ou lavo o sovaco, Olavo Bilac!

Clique aqui para ouvir a gravação oficial da Marchinha literária, por Roni Valk. 


Matéria do blog citado
 10 finalistas de 2015: Marchinha literária

Roni Valk

Machado de Assis, Eça de Queiroz, Olavo Bilac, Ariano Suassuna... O bloco dos literatos vai baixar no carnaval de 2015, mas sem fardão, chazinho, discursos ou formalidades. Será no Concurso Nacional de Marchinhas Carnavalescas, quando nossos notáveis escribas cairão na boca dos foliões que estiverem no embalo da Marchinha literária – composição do santista Roni Valk que é uma das dez concorrentes ao prêmio Cidade Maravilhosa.

A origem da marchinha finalista – que terá arranjo de Alice Passos e interpretação do próprio Roni Valk – remete à infância do compositor, como ele conta em entrevista a este blog. “Quando era criança um amigo da escola me perguntou e respondeu que quem Castrô o Alves tinha sido o Machado de Assis. Pra sempre fiquei com isso na cachola e tempos atrás me deu o estalo de que tinham vários outros escritores com nomes sugestivos.” Também da infância são as lembranças de seus primeiros carnavais, como a matinê do baile carnavalesco do clube Tumiaru, em São Vicente (SP), onde foi levado aos 12 anos pela mãe e descobriu a farra com confete e serpentina.

“Nossa família não tinha o costume de cair na folia. Foi uma surpresa pra mim quando me deparei com o poder do carnaval”, recorda o compositor, que também é ator ligado ao Centro de Teatro do Oprimido e professor da escola Oga Mitá, no bairro carioca de Vila Isabel. Foi no Rio de Janeiro, onde mora há dez anos, que Roni estreitou sua relação com o carnaval – ele é morador de um dos bairros mais carnavalescos da cidade: Laranjeiras. Sua paixão pelo carnaval de rua se encontrou com a veia de compositor e o resultado foram sambas de sua autoria emplacados em alguns dos blocos mais concorridos da cidade, como o Carmelitas de Santa Teresa, o Que Merda é Essa? (Ipanema) e o Tá Pirando Pirado Pirou (Urca).


GOSTARAM??? 
Eu achei o máximo!
E pra quem desejar votar para essa marchinha abaixo deixarei o link do Fantástico!
Boa Sorte e parabéns!





Encontre-me

Posts relacionados

4 comentários

  1. Eu gostei. Pena que não ganhou.

    ResponderExcluir
  2. ate que da pro gasto mas mostre uma sobre o filme o auto da compadecida de ariano suassuna

    ResponderExcluir