Resenha: Confúcio


Oi, Leitores!!!

Hoje faremos uma resenha de um livro que não trata de um romance como de costume aqui no blog, mas que é tão interessante quanto, justamente por nos proporcionar a possibilidade de reflexão e aprendizado pessoal. É um livro curto e tranquilo para leitura, mas como ele nos faz avaliar pontos de nossa vida, aconselho que ele se torne um livro de cabeceira (como se tornou para mim) e que todos os dias você possa ler alguns ensinamentos.

Lido em: Fevereiro de 2016
Título: Confúcio
Editora: Jardim dos Livros
Gênero: Estratégia Pessoal
Ano: 2016
Páginas: 96

Esta é uma seleção de ensinamentos de Confúcio (551-479 a.C.), um dos maiores vultos da filosofia e da religião. Confúcio ensinava que a sobrevivência da civilização depende do exercício correto de uma cultura racional, da prática de uma moral eficaz em inibir o mal e ensejar o altruísmo e a bondade. Os preceitos confucionistas defendem uma base humanística na educação, cujo cerne é o aspecto humano e moral. Para o Mestre, o tipo ideal de indivíduo é o Junzi, o “educado”, uma pessoa de bons modos, instrução e qualidades morais elevadas. Traduzidos direto do chinês, estes pensamentos compõem um guia indispensável para nos aconselhar em tempos confusos e de relativismo moral como os de hoje.

O livro é dividido em duas partes, na primeira temos a oportunidade de conhecer um pouco mais sobre quem foi Confúcio e na segunda é onde encontraremos a seleção de ensinamentos.

Confúcio foi um pensador e filósofo chinês do Período das Primaveras e Outonos que viveu no período de 27 de agosto de 551 a.C. – 479 a.C.

Confúcio não se pretendia um reformador, muito menos algum tipo de pregador religioso (...). Em seu entendimento, ele era um educador - ou um filósofo, se preferirmos esse termo -, mas essencialmente um pensador preocupado em resgatar sua civilização da ruína. - página 6
As lições trazidas neste livro é composta por uma seleção dos principais trechos do Lunyu, o texto básico da doutrina confucionista. O Lunyu foi compilado pelos alunos de Confúcio após a sua morte.

A leitura me permitiu refletir, avaliar, escolher, repensar... Mas o que mais gostei foi a sensação de paz que ele me trouxe.

Pensei em colocar alguns dos pensamentos que mais gostei aqui, porém acredito que estaria tirando de vocês o prazer de conhecê-los por si só. Por isso, dentre tantos que gostei escolhi um, para que você possa sentir e entender do que se trata.

Guardo comigo discretamente o conhecimento, tenho fome de coisas novas e ensino os outros sem me cansar - isso é o que eu sou. - página 46.

O livro tem uma diagramação muito bacana, remetendo não apenas a percepção de que é composto por pequenos pensamentos, mas também nos leva a cultura chinesa devido aos desenhos e imagens encontrados durante a leitura.




2 comentários :

  1. Oi, Mara! Tudo bem?
    Não tive a oportunidade de ler nenhum livro da Editora Jardim dos Livros, até agora.
    Gostei bastante da sua resenha. A diagramação parece ser linda!
    O livro parece ser bem interessante, mesmo que eu não goste muito de biografias, essa me parece ser diferente.

    Beijocas da Jay

    BLOG: A Prateleira
    TWITTER: @APrateleira
    PÁGINA: A Prateleira
    INSTAGRAM: @aprateleira
    SKOOB: Jayne Queiroz

    ResponderExcluir
    Respostas
    1. Oi, Jay! Tem muito livro bom neste selo da Geração Editorial. A diagramação é realmente linda neste livro.

      Obrigada pela visita!!!

      Excluir