Resenha: O Diário de Bridget Jones



Oi, Leitores!!!

O que mais gosto de participar de Clubes do Livro é a oportunidade de ler livros que talvez, sozinha, não escolhesse para ler.


Pasmem, mas eu nunca havia lido o famoso "O Diário de Bridget Jones".

A capa ao lado foi do livro lançado em 1998 publicado pela Record e recentemente a Editora Paralela do grupo Companhia das Letras relançou o livro com uma capa lindíssima em comemoração aos 20 anos de publicação. (continue lendo e veja a capa nova).

O livro é um chick lit, escrito em forma de diário e por uma mulher extremamente real, que escreve suas metas (por mais bobas ou não que sejam), medos, inseguranças e que ainda precisar lidar com uma sociedade altamente estereotipada que não sabe lidar com uma mulher de 30 anos que ainda não casou e não teve filhos. Confesso que me identifiquei e muito com a personagem.

Seu diário é cheio de humor, revelações, medo, raiva, insegurança, oscilações de estima, confiança, desejo de mudança, entre tantas outras coisas. Qual mulher nunca escreveu uma linha sequer sobre isso? Acho que todas nós já escrevemos um diário alguma vez durante uma fase da vida (senti até saudades dos meus!!! 💗)
Ai, Deus. Por que as pessoas casadas não conseguem entender que essa não é mais uma pergunta educada? Nós não perguntaríamos para eles: "Como vai seu casamento? Continuam transando?" Todo mundo sabe que arrumar um namorado depois dos trinta não é a mesma maravilha que era aos vinte e dois.

Durante a leitura, iremos acompanhar desde as contabilizações feitas por ela do seu peso, consumo de cigarro, bebida alcoólica, bilhetes de loteria e outras coisas a mais como também as relações que ela tem consigo mesma e com os outros.

Ela tem uma auto estima bem baixa, o que chega a ser irritante, e vive colocando-se em situações constrangedoras, mas também com uma mãe daquela, fica meio difícil não ser assim.

Com relação as outras pessoas, percebe-se que ela tem fortes ligações de amizade, umas meio tronchas, mas nem por isso deixam de ser sinceras e do tipo "conte comigo sempre e para qualquer coisa". Ela irá se envolver com o seu chefe, o Daniel Cleaver, que desde sempre eu sabia que era chave de cadeia, mas ela viveu a relação se apaixonou, sonhou e fez planos para no final perceber que ele preferiu ficar com outra mulher e não com ela.

Foto no Clube do Livro da Leitura Salvador Norte - 28/01/2017
Após o término com Daniel, ela decide mudar de emprego e começasse uma nova fase na vida de Bridget. Ela inicia o diário com as suas metas para o ano que se inicia e durante a leitura veremos quais ela consegue cumprir, quais são modificadas, acrescentadas e até mesmo aquelas que foram jogadas para cima.

Para mim que curto a leitura de livros em forma de diário, a mesma é super leve e fluída. Me diverti muito durante a leitura e com certeza tirei as lições das quais precisava.

O livro foi adaptado ao cinema em 2001 e garanto, vale a pena assistir e dar muitas risadas.

Lido em: Janeiro de 2017
Título: O Diário de Bridget Jones
Autora: Helen Fielding
Editora: Paralela
Gênero: Romance
Ano: 2016
Páginas: 288


0 comentários :

Postar um comentário