Resenha: Vacas


Oi, Leitores!!!

Sabe aqueles livros que você bate o olho na capa, lê a sinopse e não consegue ver a hora de ter ele nas mãos para ler? Aconteceu exatamente isso comigo quando vi Vacas pela primeira vez.

A primeira coisa que me chamou atenção foi o título, mas a frase "Nem toda mulher quer ser princesa" me fez pensar que esse livro teria um diferencial e eu assim que li o último parágrafo, vi que estava certa.

Vacas é um livro voltado para assuntos femininos, como medos, dúvidas, inseguranças, feminismo e o tão citado emponderamento. Mas o que mais me surpreendeu foi a sinceridade com a qual a autora tratou cada um dos temas abordados.


Dawn O'Porter nos oferece a história marcante de três mulheres completamente diferentes, mas ao mesmo tempo tão iguais. Mas como elas podem ser tão diferentes e iguais ao mesmo tempo? Bom, a autora conseguiu de forma espetacular trazer três histórias de vida diferentes, mas que acabam se unindo de forma natural e coesa. Confesso que é muito difícil encontrar histórias assim, além disso, a autora consegue nos proporcionar um misto de sentimentos, pois ao mesmo tempo que ela nos traz uma carga pesada de drama, ela consegue nos fazer sorrir e achar alguns pontos bem hilários. Mas com certeza o sentimento mais presente foi a indignação de estarmos em uma sociedade que molda modelos de merda (me desculpa o termo), que nos faz sentir impotente, mas que ao menos nos desperta para a necessidade de lutarmos, de não nos calarmos, de nos mantermos firmes nos nossos desejos, vontades e convicções.

Tara é mãe solteira, tem 42 anos, trabalha como produtora de documentários e sofre demais com o machismo dentro do seu ambiente de trabalho. Seus dias são marcados em ser uma boa mãe (o que ela é de verdade) e a rotina de uma dona de casa, mas também está em uma luta diária para mostrar que é uma excelente profissional, todos os dias, sem descanso. Se Tara já considera a sua luta diária cansativa, ela perceberá que tudo poderá ficar pior quando um vídeo seu viralizar na internet e ela perceber a volta dolorosa de 180 graus que ela deverá enfrentar.

Cam passou dos 30 anos, é uma blogueira de sucesso, desapegada de relacionamentos, muito bem resolvida sexualmente e com uma certeza em sua vida, ela não quer ser mãe e acredita que não precisa de filhos ou relacionamentos para ser e estar completa. Em seu blog, conta sua reflexões, vivências, desejos e crenças. Com o objetivo de mostrar as mulheres ao seu redor que elas podem ser o que desejam e que é necessário quebrarmos o ciclo vicioso de que precisamos agradar a sociedade.

Stella está em um luto profundo, após perder a mãe e a irmã gêmea para o câncer, ela está com muitas raiva por isso (processo natural do luto) e ainda precisa lidar com a questão de que ela está marcada geneticamente com a possibilidade de ter o mesmo destinos das duas mulheres mais importantes da sua vida. Suas narrativas para mim, sempre foram as mais intensas, carregadas de sentimentos (nem sempre os melhores), de uma verdade dura e crua. A sua luta interna é extremamente dolorosa e percebemos isso claramente nas suas interações com o namorado e com as outras poucas pessoas do seu convívio. Se alguém veste máscaras neste livro, de forma dura e completamente triste, é a Stella e eu me perguntava a todo momento até quando ela iria se esconder.
Vacas estão destinadas a um estado hormonal constante, grávidas ou produzindo leite. Toda novilha é um pedaço de carne, meramente uma fonte de produção em potencial. Mas, pelo visto, não oferecem muita coisa além disso.
Assim que percebi a forma como cada personagem era inserida na narração, achei inicialmente que a leitura poderia ser cansativa ou massante, mas depois da leitura do primeiro capítulo, percebi que a suposição estava equivocada. As mudanças de narrativa são claras (além da forma de narrativa de cada uma das personagens, existe uma mudança de formatação).

Em meio a isso, um personagem não pode deixar de ser citado. Jason parecia ser só mais um personagem dentro da trama, mas ele mostrou como a realidade pode ser diferente quando nos abstemos de julgamentos, quando seguimos o nosso coração e quando temos dentro de nós o que é realmente importante, quais o valores que realmente contam. Mostrando de forma clara, o quanto a sociedade é cruel e como nossa vida pode ter péssimos rumos quando nos guiamos por ela baseado no "o que vão pensar de mim", "serei aceita", "serei aprovada".

Confesso a vocês, por muitos momentos foi uma leitura difícil e dolorosa, derramei algumas boas lágrimas, mas recomendo esse livro. É uma leitura necessária, principalmente para mulheres, a autora nos traz uma perspectiva do feminino através de diversas facetas, ela consegue demonstrar os abusos que são aplicados sobre nós e que por muitas vezes nem percebemos. Um livro para sentir e refletir, que me inspirou a seguir na realização dos meus sonhos, independente do julgamento, com a certeza de que não sou "maria vai com as outras" e de que posso fazer a diferença.

Lido em: Novembro de 2017
Título: Vacas
Autora: Dawn O'Porter
Editora: HarperCollins
Gênero: Ficção
Ano: 2017
Páginas: 336


Encontre-me

Posts relacionados

13 comentários

  1. Oi tudo bem?
    Eu particularmente adoro livros empoderadores e esse me parece ser um afinal e voltado para o publico feminino onde podemos nos identificar né? Adorei a premissa e vou ler sem duvidas.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Olá
    Quando fiquei sabendo deste livro fiquei meio com o pé atrás, pois sempre achei histórias que tentam abraçar causas demais acabam perdendo o foco, mas por sua resenha parece que a autora acertou o ponto e isso me deixou bem curiosa.

    ResponderExcluir
  3. Já li inúmeras resenhas sobre este livro, todas aclamando o mesmo, mas confesso que ele me assusta. Não gosto de nenhum tipo de ISMO, eles nunca são
    bons, sei de toda luta que enfrentamos por ser do sexo que somos, mas acredito que nada ao extremo faz bem. Não sei se leria, posso estar perdendo uma grande história.
    Quem sabe um dia.

    Beijos.
    https://cabinedeleitura0.blogspot.com.br/

    ResponderExcluir
  4. Oi! Acredito que adoraria ler a obra, pois essa necessidade de se identificar sempre com mulheres guerreiras, humanas e ao mesmo tempo frágeis como qualquer ser humano, faz com que me sinta mais forte e com vontade de lutar por um mundo melhor e mais justo.
    Dica anotada!

    ResponderExcluir
  5. Olá!
    Concordo contigo, tanto a capa como o título e subtitulo são um atrativo à parte. Apesar disso , eu não havia me aprofundado na historia até ler sua resenha. Adorei a proposta do livro, ter três personagens tão marcantes e com historias tão contagiantes é de fato muito bom. Anotado a dica.
    Niz4ete
    cia do leitor

    ResponderExcluir
  6. Oi, tudo bem?
    Já li muitas resenhas positivas desse livro e estou louca para ler. Adoro histórias que trazem mulheres reais, que se conhecem e se valorizam, acredito que isso pode ser inspirador para muita gente.
    Bjs!

    ResponderExcluir
  7. Que livro, né!? Muita coisa a dizer, muito medo de entregar mais do que podemos... Achei interessante você senti-lo tão profundamente ao ponto de "achar doloroso e até derramar algumas lágrimas". Achei um livro bastante divertido, leve. Mas acredito que sei de quais partes você está falando... Não tem jeito, né, a gente sente mesmo na pele a dor da outra! A autora conseguiu imprimir isso em alguns momentos mesmo. Não cheguei a chorar, mas entendo bem o que você sentiu!
    Adorei sua resenha!!! <3

    Beijooos
    http://www.aquelaepifania.com.br/

    ResponderExcluir
  8. Oi Mara,
    Estou lendo esse livro e me encantando completamente pelas personagens. Confesso que eu tinha a impressão que a obra seria bastante cansativa, como você imaginou. Mas, não está sendo. O final do primeiro capítulo, onde parei, me deixou muito curiosa para saber o que mais acontece, sabe?
    As personagens parecem ser encantadoras e espero tirar muito aprendizado desse livro, como tenho a impressão que ele traz. Dica anotada.
    Beijos,
    Um Oceano de Histórias

    ResponderExcluir
  9. Oie, tudo certinho??! Eu ameiiiiii esse livro. Personagens empoderadas e bem resolvidas, exceto uma né?!?! Achei aquela mina muito louca no propósito dela rsrsrs. Mas me identifiquei demais com a história.
    Bjs

    ResponderExcluir
  10. Oi
    Nossa fiquei doida nessa história, tem uma pegada que me agrada muito, isso de sermos tão diferentes e no fim das contas tão iguais, muito interessantes. E com mulheres bem resolvidas, acho importante retratar isso, apesar de odiar o termo “empoderamento” .
    Xero.

    ResponderExcluir
  11. Esse livro anda recebendo muitos elogios, normalmente não me chamaria muita atenção, mas agora estou ficando muito curiosa rssrs

    Beijos!!!

    ResponderExcluir
  12. Oi, gostei da dica de livro, mesmo não sendo uma pessoa devida para falar do assunto, eu gosto do tema e pesquiso sempre, irei anotar sua dica.

    Abraços, José Marcos.

    ResponderExcluir
  13. Oi Mara, eu li uma resenha desse livro e me apaixonei e lendo a sua me convenço de que realmente devo ler, pois tem uma premissa interessante e que me atrai muito. Porém, como o livro fez você chorou eu ficou um pé um pouco atrás por não gostar de livros que me fazem chorar, mas vamos lá.

    Bjo
    Tânia Bueno

    ResponderExcluir