Resenha: É assim que acaba

Oi, Leitores!!!

Eu amo ler as histórias da Colleen Hoover, gosto da sua escrita e dos temas que ela costuma abordar, se tem algo que a considero é corajosa, não é fácil assumir a responsabilidade de querer debater o abuso e violência doméstica, como é o caso deste livro. Confesso, não foi a minha história favorita dela, mas acho que todos deveriam ler e tirar as suas próprias conclusões.
Vamos conhecer Lily no dia do sepultamento de seu pai e ali entendemos que apesar de ter tido uma vida financeira boa, a sua família não era a família perfeita e por isso, ela sempre lutou para conquistar seus sonhos, um deles era sair da pequena cidade de Maine, fazer sua faculdade de Marketing em Boston e ela conseguiu.

Neste mesmo dia, ela conhece Ryle Kincaid, um neurocirurgião, super gato e intrigante na sua mistura de confiança, teimosia e arrogância, mas de cara ele já demonstra a sua aversão por relacionamentos e Lily não é o tipo de pessoa que curte relacionamentos casuais, então aquele encontro não vai muito para frente...

Mas seus caminhos se cruzam novamente e eles começam a se relacionar... Neste mesmo tempo, Lily acaba nos mostrando muito do seu passado e aí conhecemos Atlas Corrigan, seu primeiro amor, aquele que sempre a protegeu, que a ensinou muitas coisas da vida e de quem ela sentia uma falta enorme, apesar de tantos anos sem contato a ligação entre eles existe e é extremamente forte.

Com a herança do pai, Lily decide abrir a sua tão sonhada floricultura... E mais um sonho se realiza, adorei a forma como ela encarou o novo desafio, as suas ideias e sua vontade de vencer... E a cada sonho conquistado, nós vamos notando o quanto a presença de Atlas, mesmo na sua ausência, é forte na vida dela, ele faz parte de todas as suas conquistas também.

Aos poucos, alguns problemas irão surgir no seu relacionamento com Ryle, que serão agravados quando acontecer o reencontro com Atlas, isso fará com que as coisas tomem um rumo que ela nunca desejou e Lily viverá na pele situações que ela sempre viu de fora e ali ela percebe que as coisas não são tão simples como ela acreditava que fossem, são tantos sentimentos em jogo, que é difícil por muitas vezes sair da situação.

A forma com a qual Colleen escolheu abordar o tema, foi muito pessoal (e isso eu só descobri no final, ao ler as notas da autora), compreendi os seus pontos de vista e a escolha de caminho que a Lily fez, mesmo que não tenha sido por ela e ao concluir a história, fiquei com aquela sensação de que a história poderia ter sido mais, às vezes nem gosto muito de usar essa palavra, mas esperava mais empoderamento sabe?!

(...) As pessoas passam tanto tempo se perguntando por que as mulheres não vão embora... Onde estão as pessoas curiosas do porquê os homens serem violentos? Não é aí que deveria estar a culpa? 

Nunca vivi uma relação de abuso e violência, mas nem por isso deixo de me solidarizar e sofrer cada vez que vejo mulheres próximas e as não próximas vivendo isso e sempre me questiono: os números de casos aumentaram ou as mulheres passaram a denunciar mais?

Uma das coisas que mais gostei no livro foi a mensagem mais que clara que a Coho deixou que foi: NUNCA, em hipótese alguma, afirme que uma mulher sofre abuso porque quer, porque pediu!! A culpa sempre será do agressor, que agredi sem razões ou motivos plausíveis! A agressão NUNCA terá uma justificativa!

As pessoas que estão de fora de situações assim costumam se perguntar porque a mulher volta para o agressor. Li em algum lugar que 85% das mulheres voltam para situações violentas. Foi antes de eu perceber que era uma delas, e, quando vi essa estatística, considerei essas mulheres burras. Achei que eram fracas.

Apesar de não ter sido aquele livro UAU para mim, recomendo a leitura, ela é precisa e necessária, com certeza a CoHo nos faz ver o assunto com outros olhos, nos faz sentir na pele muitos dos dilemas vividos pela Lily, nos faz perceber que é uma situação que pode acontecer com qualquer pessoa, mas nos reafirma que ela nunca mereceu viver o que viveu!

Lido em: Julho de 2018
Título: O Fundo é apenas o começo
Autora: Colleen Hoover
Editora: Galera Record
Gênero: Romance
Ano: 2018
Páginas: 368
Adicione no Skoob | Compre: Amazon

Encontre-me

Posts relacionados

3 comentários

  1. eu já li esse livro um tempo atras, fiquei muito chocada com toda a temática dela e a partida dai passei a amar a CoHo.
    Essa coisa do relacionamento toxico é muito real, e a situação que a personagem vive também é muito real, muita gente passa por isso, é um assunto que tem que ser falado.

    ResponderExcluir
  2. Olá, tudo bem?

    Eu adoro a CoHo, porém to -mega- atrasada com as leituras dela. E toda resenha que leio, sobre esse livro e Tarde Demais, e só fico com muita vontade de ler. Gostei de saber que ela aborda esse tema e de forma real, já que muitos preferem "ignorar" ou acabam romantizando. Vou ler esses dois e depois passo para os mais leves. Isso se não ficar com ressaca, né?

    Beijos

    ResponderExcluir
  3. Oi Mara.
    Ainda não li nada dessa autora, apesar de ouvir falar muito sobre os livros dela.
    Acho importante que ela, sendo uma autora tão conhecida, insira em suas histórias essa discussão acerca de violência doméstica. Isso pode ajudar pessoas que se encontram em uma situação semelhante e conscientizar outras.
    Abraços.

    ResponderExcluir